Análise crítica dos sistemas de mapeamento livre

15 Maio de 2014, por OKBR

Compartilhar

Mapeamento Analógico

Temos aqui uma breve análise crítica de sistemas livres para georreferenciar informação. Uma tabela comparativa e a crítica completa estão publicadas na wiki do Educação Aberta, onde todos estão convidados a fazer edições e contribuições. Este material foi produzido por Gabriel Fedel com apoio da equipe do MIRA.org.br, projeto de mapeamento de Recursos Educacionais Abertos (REA) na América Latina, coordenado por Tel Amiel e apoiado pela Hewlett Foundation.

Wordress + JEO

JEO LogoO JEO é um template para WordPress e sua instalação é fácil e rápida, como a de qualquer outro template. Possui grande facilidade para deploy e para modificar a interface, seja por meio de temas ou da edição de arquivos css e php. Também por essa razão, é possível usar os plugins do WordPress para aumentar suas funcionalidades. Um exemplo disso é o WordPress-Plugin-Core, que permite adicionar informações no padrão Dublin Core. Outro é o The Events Calendar, feito para geerenciar eventos.

Wordpress - LogoSeu principal ponto negativo é o fato do WordPress ser desenvolvido para blogs. Isso faz com que os dados sejam armazenados e organizados de modo que o sistema depende da estrutura do banco de dados e da estrutura de páginas do WordPress. Contudo, a ferramenta pode gerar sistemas sofisticados, como BHÁsia e Arte Fora do Museu.

Para projetos com poucos recursos que buscam uma solução funcional rápida, é muito aconselhável. Mas se muita customização for necessária, pode ser inviável permanecer na estrutura do WordPress.

Mootiro

MootiroMaps - Logo

O Mootiro foi desenvolvido para ser um portal. Ele permite mapear facilmente comunidades e organizações, seus recursos, suas necessidades e as relações entre elas. Usá-lo é bem simples e visual: com a ferramenta instalada, com poucos cliques se inserem informações georreferenciadas. Seu destaque são as funcionalidades para redes sociais, como comentários, compartilhamento, etc.

No entanto, o material de referência para sua instalação é incompleto (sua análise só foi possível pelo uso do portal). O GitHub, repositório de seu código-fonte, já não recebe atualizações há alguns meses.

O Mootiro tem um escopo definido, mas não é aconselhado para usos mais específicos fora dele. Por exemplo o Mapa da Cachaça, que agrega informações de alambiques e tipos de cachaças, dificilmente teria suas informações organizadas neste ambiente. Por não existirem outras instâncias, não é possível analisar seu desempenho em outros contextos.

Ushahidi 2.7.2

Ushahidi - Logo

O Ushahidi 2.7.2 foi pensado para mapeamentos com crowndsourcing e dispõe de vários mecanismos de inserção colaborativa de dados. De todos os mapas estudados, o Ushahidi é o que tem melhor plataforma para gestão de dados vindos de vários usuários, por vários meios, até mesmo via SMS.

Como ponto negativo, se comparado com o Mapas Culturais, sua interface para o usuário deixa a desejar. Outro ponto negativo é a versão 3.0 ainda estar em versão Alpha e, portanto, não estar totalmente usável. A ferramenta já foi utilizada em mapas de atividade aeróbicas à mapas de transparência. Dispõe de recursos de filtragem temporal e possui uma gama interessante de plugins.

Mapas Culturais

Mapas Culturais é um sistema recente. todo desenvolvido em PHP. Seu foco é mapear cultura: espaços, agentes, eventos e projetos. É muito bem desenhada e tem por trás a equipe do HackLab, experiente em mapeamento, em WordPress e em PHP. Sua única instância online é o SP Cultura, feita para mapear o que existe de cultura em São Paulo.

Executa bem seu papel de mapeamento na área cultural, contudo é necessário desenvolvimento futuro e customização para que seja utilizada em outros cenários. Não possui nenhuma documentação atualmente, o que dificulta sua instalação. Por ser recente, está sendo intensamente desenvolvido.

Omeka + Neatline

Omeka - LogoAssim como o WordPress + JEO, temos aqui uma plataforma de gestão de dados (Omeka) junto a um plugin de georreferenciamento (Neatline). Mas as semelhanças terminam aí! O Omeka é uma ferramenta para biblioteca digital e, portanto, tem um forte arcabouço em organização e gestão de dados. Trabalha nativamente com o padrão Dublin Core (dentre outros), e possui diversas funcionalidades nativas para importação e exportação de dados em formatos padrão.

Somado ao plugin Neatline ganha funcionalidades de refereciamento geográfico e temporal de grande qualidade. Neatline - LogoPossui uma equipe de desenvolvimento bastante ativa e disposta a solucionar problemas, mas não tantos plug-ins como o WordPress, o que é um dos seus pontos fracos. Isso gera a necessidade de desenvolvimento para usos mais específicos. Também possui uma boa documentação, e interface em português, o que facilita seu uso e aprimoramento. Um exemplo de uso é o Mapa da Cultura de Campinas.

CKAN

CKAN - Logo

Assim como o Omeka, o CKAN é uma ferramenta muito robusta para gestão de dados. Visto que foi desenvolvido pela Open Knowledge, foi feito para disponibilizar dados abertos. Um de seus diferenciais é possuir suporte pago e serviço de software as a service, que o torna interessante para projetos que não dispõem de muitos técnicos. Não possui muitos recursos para manipular os dados via linha de comando e utilizando python, como por exemplo para importar dados. Em um cenário sem suporte, a ferramenta aparentemente visa ter administradores que sejam desenvolvedores.

Um dos pontos negativos da ferramenta é que para desenvolver um sistema específico é necessário muita configuração de baixo nível. Um exemplo disto é a dificuldade para se instalar e habilitar plugins. Pelo uso que realizamos, percebemos que o seu georreferenciamento é feito por arquivos GeoJSON, que estão associados à um conjunto de dados, um formato bem diferente das outras ferramentas.

——————

Reforçamos o convite: acesse (e edite) a tabela comparativa e a crítica completa que deram origem a este post, publicadas na wiki do Educação Aberta.

(Imagens: Pushpins in a map over France and Italy e Straight scale, compasses and map {3})


Notice: Undefined variable: mesmoeixo in /var/www/ok.org.br/wp-content/themes/okbr/single-noticia.php on line 53