Boletim Capitais ITC 2.0: Transparência da Covid-19 diminui em 46% das capitais no mês de novembro

11 dez de 2020, por OKBR

Compartilhar

Levantamento da Open Knowledge Brasil aponta retrocesso em 23 dos 24 critérios analisados no Índice de Transparência da Covid-19. Assim como nos estados,  transparência regride em momento crítico da pandemia.

12 capitais (46%) diminuem pontuação em relação à avaliação anterior; nível “Opaco”, a pior classificação, volta ao mapa e atinge duas delas.

 Das nove capitais que disponibilizaram microdados atualizados, apenas três apresentaram todas as variáveis consideradas mínimas para monitoramento adequado da doença.

  18 capitais brasileiras (69%) não publicam informações sobre  testes disponíveis. Das 8 que publicam, apenas metade disponibiliza informações detalhadas por tipo de teste.

6 capitais (23%) retrocederam na transparência sobre testes aplicados; cinco delas deixaram de publicar quaisquer informações atualizadas no critério. 

Em 58% das capitais, não é possível obter informações completas sobre notificações — em duas delas não foi possível nem mesmo saber o número de casos confirmados.

O 7º Boletim do ITC-19 2.0 sobre as capitais mostra que a transparência sobre dados da Covid-19 também retrocedeu nos municípios, assim como observado na última avaliação dos estados. O levantamento é referente a novembro, mês que ficou marcado por apagões (de dados e também literais) e ataques cibernéticos a diferentes órgãos públicos. 

Com vários casos de desatualizações em bases de dados, painéis e boletins, 23 dos 24 critérios analisados pelo ITC-19, da Open Knowledge Brasil (OKBR), deixaram de ser cumpridos por alguma cidade nesta sétima rodada de avaliação. 

Um dos principais retrocessos é observado na disponibilização de microdados. Critério já pouco atendido até então, ele se tornou o menos atendido pelas capitais, com uma taxa de cumprimento de apenas 19%.  Das sete capitais que disponibilizaram microdados atualizados e com quantidade de variáveis mínimas para pontuar, apenas três apresentam todos os dados considerados mínimos para monitoramento adequado da doença: Fortaleza (CE), a partir dos microdados disponibilizados pelo estado; Macapá (AP) e Manaus (AM).

TAXA DE CUMPRIMENTO DAS DIMENSÕES DE GRANULARIDADE E FORMATO

São avaliadas as base de dados, a qualidade e o acesso; em rosa, está destacada a porcentagem do total de cumprimento que retrocedeu em comparação à última rodada de avaliação

Outro critério que já era pouco cumprido e retrocedeu ainda mais, tornando-se um dos menos atendidos, é a disponibilidade de testes para Covid-19. No 6º boletim do ITC-19 sobre as capitais, o levantamento realizado em outubro pela OKBR revelou que 62% das capitais não divulgavam qualquer tipo de informação sobre seus estoques de testes. De lá para cá, o quadro piorou: 18 capitais não disponibilizam ou deixaram de atualizar essa informação, o que representa 69%. 

Além da falta de dados sobre estoque, a transparência sobre testes aplicados também regrediu, já que em 5 capitais essa informação deixou de ser publicada ou atualizada desde a última avaliação. Com isso, 12 cidades (46%) não divulgam nenhuma informação sobre esse critério.

TAXA DE CUMPRIMENTO DA DIMENSÃO DE CONTEÚDO

São avaliados dados sobre casos, demografia e infraestrutura de saúde; em rosa, está destacada a porcentagem do total de cumprimento que retrocedeu em comparação à última rodada de avaliação

Evolução das capitais, de 16/10 a 11/12

A sétima rodada de avaliações das capitais foi feita a partir dos dados disponíveis em 24 e 25 de novembro.

A próxima avaliação da transparência das capitais está prevista para o dia 17 de dezembro.

Acesse:

7# boletim completo do Índice de Transparência Covid-19 2.0 

Base de dados completa com a avaliação detalhada de cada ente. 

Nota metodológica com o detalhamento dos critérios de avaliação.

Mais informações no site: transparenciacovid19.ok.org.br


Notice: Undefined variable: mesmoeixo in /var/www/ok.org.br/wp-content/themes/okbr/single-noticia.php on line 53